Toda vez que anunciam uma nova temporada da série de ficção científica Black Mirror é a mesma coisa: as pessoas voltam a debater sobre as consequências dos avanços tecnológicos na sociedade. Com novos episódios no dia 5 de junho, a  Hoteis.com entrou no hype e separou três hotéis que utilizam as tecnologias macabras vistas em alguns episódios de forma certa, sem nenhuma contraindicação para o hóspede. Confira!

CityHub Amsterdam (Holanda)

Temporada 1, Episódio 2 – “Quinze Milhões de Méritos”

CityHub Amsterdam (Foto: Divulgação)
CityHub Amsterdam (Foto: Divulgação)

O segundo episódio da temporada inaugural acompanha o dia-a-dia de uma sociedade reclusa que pedala bicicletas estacionárias em troca de ‘méritos’ durante o dia e relaxam à noite em seus cubículos personalizáveis. Além do CityHub Amsterdam ser um hotel tecnológico que não conta nem com recepção física, os hóspedes conseguem controlar aspectos de seus quartos como iluminação, temperatura e música através de aplicativo para smartphone, que também conta com roteiros de passeios na cidade.

Saiba mais: CityHub Amsterdam

Loews Hotel 1000 Seattle (Estados Unidos)

Temporada 3, Episódio 2 – “Versão de Testes”

Loews Hotel 1000 Seattle (Foto: Divulgação)
Loews Hotel 1000 Seattle (Foto: Divulgação)

Em ‘Versão de Testes’, as coisas dão errado para o personagem principal após ficar preso em Londres e aceitar participar do teste de um jogo aterrorizante em realidade aumentada. No Loews Hotel 1000 Seattle, o único objetivo desta tecnologia é transportar o hóspede para um dos 50 campos de golfe mais famosos do mundo. Após completar os 18 buracos, dá para matar a sede com uma seleção de cervejas locais que é sempre atualizada.

Saiba mais: Loews Hotel 1000 Seattle

Blow Up Hall 50 50 (Polônia)

Temporada 4, Episódio 6 – “Black Museum”

Blow Up Hall 50 50 (Foto: Divulgação)
Blow Up Hall 50 50 (Foto: Divulgação)

Nish faz uma parada para recarregar seu carro elétrico, decide visitar o museu ao lado, dedicado a peças criadas com tecnologia ilícita e acaba descobrindo mais do que queria. O hotel é 50% tecnologia e 50% expressão artística, como sugere o próprio nome, então os hóspedes não precisam ter medo de se envolver em algo macabro durante suas estadas. O Blow Up Hall 50 50 é repleto de peças de arte da coleção pessoal do proprietário e, no check in, disponibiliza ao hóspede um iPhone que funciona como chave do quarto e ferramenta de navegação.

Saiba mais: Blow Up Hall 50 50

*Informações da Assessoria de Imprensa

Deixe sua mensagem